História

O Programa iniciou o curso de Mestrado Acadêmico em 1976, Mestrado Profissional em 2004 e Doutorado em 2006. Trata-se de um dos PPGA mais antigos do Brasil e que se consolidou como centro de excelência nos últimos 12 anos. O PPGA contou, no quadriênio 2013-2016, com um Núcleo Docente Permanente (NDP) médio de 25 professores. O número máximo de colaboradores no quadriênio foi de quatro professores, dentro dos limites indicados pela Área. Como regra geral, o professor recém-doutor é credenciado no Programa e atua, inicialmente, como colaborador, passando, em seguida, para o NDP. Há casos de professores titulados há mais tempo e com experiência anterior em pós-graduação (lato ou stricto sensu) que são credenciados diretamente no NDP.

A lógica de organização da pesquisa em grupos tem-se revelado a mais adequada para o aumento das relações acadêmicas do Programa com outros grupos e centros de pesquisa no Brasil e no exterior. Isso tem proporcionado, também, um potencial para atração de alunos que se inscrevem para cursos do PPGA com base em informações a respeito de temas nos quais os docentes do Programa tem expertise reconhecida.

O credenciamento de docentes para atuar no PPGA ocorre por meio de edital, aberto a professores do quadro efetivo da UnB e, quando for o caso, aberto também a profissionais de outras organizações. Esse processo de credenciamento por meio de edital tem se mostrado uma experiência virtuosa, por permitir condições iguais de concorrência para os interessados e por divulgar as regras de acesso ao Programa. As regras de credenciamento e de renovação de credenciamento de professores do PPGA tem os parâmetros adiante indicados.

1. O Corpo Docente dos cursos de pós-graduação stricto sensu do PPGA é composto de professores da UnB, lotados na FACE e em outras unidades acadêmicas da Universidade, por pesquisadores e docentes vinculados a outras organizações de ensino ou pesquisa, com titulação mínima de doutorado, devidamente credenciados no Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da UnB, nos termos da Resolução 091/2004 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da UnB e do Regulamento
do PPGA.


2. O docente credenciado no PPGA pode ser classificado em uma das seguintes categorias, atendidas as normas da UnB e as orientações da CAPES:
I - docentes permanentes, constituindo o núcleo principal de professores, responsáveis pelo desenvolvimento de atividades de ensino, de pesquisa e de orientação de alunos de mestrado e de doutorado do Programa;
II docentes visitantes, assim entendidos os docentes ou pesquisadores com vínculo funcional com outras instituições que sejam liberados das atividades correspondentes a tal vínculo para colaborarem, por um período contínuo de tempo e em regime de dedicação integral, em projeto de pesquisa e/ou atividades de ensino no programa, permitindo-se que atuem como orientadores e em atividades de extensão.
III docentes colaboradores, os demais membros do corpo docente do Programa que não atendam a todos os requisitos para serem enquadrados como docentes permanentes ou como visitantes, mas participem de forma sistemática do desenvolvimento de projetos de pesquisa ou atividades de ensino ou extensão ou da orientação de mestrandos e doutorandos do PPGA, independentemente do fato de possuírem ou não vínculo com a UnB.


3. Para obter credenciamento como docente permanente e orientador de mestrado do PPGA, o interessado deve ter o título de doutor, devidamente reconhecido segundo a legislação brasileira, atender as normas da UnB a respeito de credenciamento,
atuar em área afim com uma das linhas de pesquisa do Programa e apresentar, juntamente com o formulário-padrão de credenciamento de docente da UnB:
I. Plano de trabalho a ser desenvolvido nos próximos três anos, contendo as atividades de ensino, pesquisa e orientação;
II. Currículo Lattes atualizado, demonstrando produção intelectual, nos três anos anteriores, de um artigo publicado em periódico classificado no nível B2 do Qualis/CAPES, por ano, ou produção equivalente;
III. Projeto de pesquisa consistente com uma linha de pesquisa do Programa e com cronograma de desenvolvimento para três anos.
3.1. Para credenciar-se como orientador de doutorado, o docente deverá, além de atender os requisitos do item 3, ter concluído, com sucesso, a orientação de duas dissertações de mestrado.
3.2. Os bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq poderão solicitar credenciamento para orientar alunos de mestrado e de doutorado, ficando dispensados da documentação a que se refere o inciso III do item 3.


4. O plano de trabalho a que se refere o inciso I do item 3 será apresentado, pelo interessado, em seminário a ser realizado no PPGA, com a participação de professores do Programa e outros convidados, em período a ser definido entre o interessado e a coordenação do Programa.


5. Espera-se do docente permanente do PPGA o seguinte padrão mínimo de atividades e de produção:
I. Ministrar uma disciplina no Programa por ano;
II. Coordenar um projeto de pesquisa, do qual participem alunos e docentes do PPGA, outros docentes e pesquisadores da UnB ou de outras organizações, consistente com alguma linha de pesquisa do Programa, com financiamento de agência externa de fomento ao ensino e pesquisa, ou que tenha sido recomendado por dois consultores externos indicados pelo Programa;
III. Participar, como pesquisador-associado, de um projeto de pesquisa vinculado ao PPGA ou a outro programa de pósgraduação da UnB ou de IES externa;
IV. Participar, como pesquisador-associado, de um Grupo de Pesquisa cadastrado na Plataforma Lattes do CNPq;
V. Concluir, por ano, em média, duas orientações de mestrado, a partir do terceiro ano de credenciamento;
VI. Comprovar produção bibliográfica anual de um artigo em periódico classificado no nível B2 no Qualis/CAPES, ou produção equivalente.


6. O docente permanente que não alcançar o padrão mínimo de atividades de que trata o item 5, em especial o inciso VI, terá sua carga de docência e de orientação no PPGA reduzida, passando para a condição de docente colaborador, até que a situação se normalize, de modo a evitar impactos negativos no desempenho do Programa.